Conheça Meus Livros

Conheça o romance Alma de Rosas
Conheça o romance Raptada
Conheça o romance sobrenatural As Noivas de Robert Griplen
Conheça a comédia Se Contar, Ninguém Acredita No Que Aconteceu Nesse Natal
Conheça a comédia Quem Deu o Habeas Corpus Para a Bruxa?
Conheça a antologia A Morte Não é o Fim

sábado, 31 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016 do Admirável Mundo Inventado



Todos os anos, desde que comecei a escrever esse blog, eu faço uma listinha (não tão inha assim, na verdade) dos assuntos que eu gostaria de postar naquele ano que se inicia. Frequentemente, porém, eu não consigo postar um terço do que eu gostaria. Os motivos são muitos: correria do dia a dia, contratempos que vão aparecendo ao longo do ano, e minhas postagens de filmes e séries principalmente despendem muito tempo para serem preparadas, e há uma lei de Murphy que tem a horrível mania de me perseguir, que diz que tudo sempre leva mais tempo do que todo o tempo que você tem disponível. O resultado é que boa parte da minha lista de planos para um ano do blog acaba sobrando para o ano seguinte, e às vezes para o posterior também.

Por exemplo, esse ano, eu tinha planos de postar reviews de mais seis filmes, dos quais quatro já estão com as postagens escritas, mas ainda não consegui montar todas as fotos. Ficam para o ano que vem. Também tinha planejado quatro episódios natalinos de séries e desenhos animados, que também vão ficar para o próximo ano. Sem falar nas sequências de Once Upon a Time, nas reviews de The Vampire Diaries e The Originals que eu venho procrastinando há dois anos, sem terminar de montar as fotos, e outras séries que continuam nos planos; nas listas estilo TOP 10 de diversos assuntos; e várias outras coisinhas que não tive oportunidade de postar esse ano. Ou melhor, não tive tempo de postar esse ano.

Então, ao invés de preparar uma nova lista com tudo o que quero postar em 2017 – que herdará diversas sobras da lista de 2016 –, vou fazer uma retrospectiva de tudo o que rolou esse ano no Admirável Mundo Inventado. Porque, apesar de todos os contratempos, 2016 acabou sendo o ano mais movimentado desde que eu comecei a escrever o blog: teve o maior número de postagens, e também a maior interação com os leitores.

Preparados para relembrar o que rolou esse ano no blog? Então, vamos lá:

sábado, 24 de dezembro de 2016

Se Contar, Ninguém Acredita No Que Aconteceu Nesse Natal – Parte 3: A Festa de Natal dos Viciados em Banana

Por Talita Vasconcelos
*Leiam a parte 1 e a parte 2*
Saí do quarto assim que senti que estava pronta, e coloquei o presente do meu amigo secreto embaixo da árvore de natal, num canto da sala, ao lado dos presentes comprados pela Cristiana, pela Valentina, pelo Pedrão e pelo Ivan. Notei que tinha um presente a mais embaixo da árvore. Deduzi que mais alguém havia chegado enquanto eu me maquiava. Talvez estivesse no banheiro.
Valentina estava desenformando a rosca de nozes quando me voltei para a cozinha.
_Essa ficou perfeita – anunciou ela, tirando as luvas térmicas. Regou a guloseima com uma calda de coco que tinha preparado enquanto a primeira rosca estava assando, e que ficou o dia inteiro esfriando sobre a mesa, terminou de decorar com pedacinhos de morangos frescos, e colocou-a com todo cuidado na bancada, ao lado da sobremesa do Ivan, que agora eu percebia que era uma espécie de bolo ou pavê, provavelmente de chocolate, com glacê escuro e frutas vermelhas.
Enfim, não entendi bem o que era, mas aquilo animou meu estômago. Gosto de falar da draga da Cristiana, mas de vez em quando preciso policiar a minha.
Falando nela, também escolheu esse momento para surgir na sala, e também teve a atenção imediatamente furtada para a nossa bancada de sobremesas. A Cristiana, quero dizer, não a draga. Ou talvez, as duas.
_Hum... Ivan, essa coisa dá água na boca só de olhar – disse Cristiana, hesitando em chegar perto. O dia certamente não precisava de mais acidentes. – Garoto, peça-me quantas xícaras de açúcar quiser, que um dia vou te pedir em casamento.
_Deixa o Pedrão ouvir isso! – comentei, dando uma risadinha.
_Tenho certeza de que ele nunca vai ter ciúme dessas sobremesas – disse Cristiana, ainda concentrada nas delícias sobre a bancada.
_Tem mais alguém aqui? – perguntei, ainda pensando no presente a mais que vira ao pé da árvore de natal, muito mais modesta que a do Seu Nosferatu.
Ouvimos a campainha.
_Agora tem – disse Ivan, enquanto Valentina abria a porta.
_Oi, linda! – disse Leandro, parado na porta, com o presente do amigo secreto escondido atrás do batente da porta. – Você me quer embrulhado ou eu posso começar a me livrar de toda essa produção?

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Se Contar, Ninguém Acredita No Que Aconteceu Nesse Natal – Parte 2: Lei de Murphy N°890 – Nunca Subestime a Capacidade do Azar

Por Talita Vasconcelos

A partir daí, nosso dia passou a ser governado pela lei de Murphy que diz que se alguma coisa puder dar errado, dará; e dará na pior hora, e da forma que cause o maior dano possível. A decoração do apartamento estava ok – aliás, estava pronta desde o início de dezembro. Todo o resto, no entanto...
Ficou combinado que cada um dos convidados traria um prato para a ceia, então, basicamente, só tínhamos que nos preocupar com a nossa parte, que consistia do purê de batatas e das batatas que eu pretendia assar para acompanhar o peru – este, comprado pelo Casanova; mas como ele não fazia ideia do que fazer para deixá-lo dourado e suculento, acabamos nos oferecendo para assá-lo, assim, pelo menos, era certeza de que não comeríamos o bicho cru. E também resolvia o problema de ter que atravessar um pedaço de São Paulo com um peru assado no banco de trás do carro em plena véspera de natal. Assim não se corre o risco de ter o carro depredado no sinal e acabar chegando aqui só com o rabicó do bicho. Não que isso já tenha acontecido com alguém que eu conheça, mas nunca se sabe...
E Cristiana ainda iria fazer a sopa especial de vegetais, receita da avó dela, que, por tradição de família, garantia a quem comesse um feliz natal. Diz a lenda que havia um ingrediente secreto na sopa que garantia essa tal felicidade, mas, seja lá o que for, não parece ter tido qualquer efeito em mim nos anos anteriores. A menos que tenha sido camuflado pelo vinho tinto, né... Vai saber.
Nós já tínhamos temperado o peru na noite anterior, e eu usara o mesmo tempero nas batatas, que teria que assar separado, porque não caberia tudo de uma vez no nosso forno. Mas antes que pudéssemos ter a chance de colocar qualquer coisa para assar, Valentina, uma das convidadas da noite, que mora no andar de cima, apareceu com o primeiro contratempo: ela tinha prometido trazer uma rosca de nozes – que deixou todo mundo com água na boca no natal do ano passado, salivando por mais um pedaço –, porém o forno dela escolheu justamente a véspera de natal para dar o último suspiro. Então ela trouxe os ingredientes, e pediu para assar a rosca no nosso apartamento.
Até aí, tudo bem; era só uma questão de organizarmos os horários, e tínhamos tempo de sobra para preparar tudo. Mas aí, enquanto eu colocava as batatas para assar – decidi assar primeiro as batatas, pois a forma era menor, e caberia a assadeira da Valentina ao mesmo tempo, o que nos deixaria com tempo de sobra para dar um bronze no peru até às oito da noite – o segundo infortúnio apareceu.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Se Contar, Ninguém Acredita No Que Aconteceu Nesse Natal – Parte 1: Parece Que Nem Todo Mundo É Filho de Papai Noel...

Por Talita Vasconcelos
Natal é uma das minhas datas favoritas no ano, porque é sempre aquela época em que você deixa tudo de lado e se permite aproveitar a vida, e cometer todos os excessos que não cometeria normalmente, ao seu bel prazer: tira folga do trabalho, ou férias coletivas – a menos que trabalhe no comércio –, dá uma trégua na dieta, tira o escorpião da carteira e finalmente cria coragem para comprar aquele sapato que você está namorando há meses, mas sabe que é caro demais para o seu orçamento... E se pá, ainda rola aquela viagenzinha com os amigos ou com a família para algum lugar bem bacana. Sem falar no panetone, no peru, na rabanada, e nas toneladas de chocolate sem culpa que você se permite comer, para só se arrepender lá pelo dia três de janeiro... Enfim, Natal é uma data em que quase tudo é permitido. E em que as melhores histórias acontecem. Inclusive as mais inacreditáveis...
_Pinheirinho que alegria! Trá lá lá lá lá, lá lá lá lá... Sinos tocam noite e dia...
_Nossa, quanta animação logo cedo! – comentou Cristiana, entrando na sala do apartamento, ao me ouvir cantando na cozinha enquanto virava as panquecas para o café-da-manhã de Natal. – Tem mais alguém aqui?
_Comigo, não. Com você...?
_O Pedrão só vem mais tarde. Mas, e aí? Qual é o motivo de tanta animação?
_Como assim? É Natal!
_É, mas para você amanhecer assim, cantando... A que horas o seu bofe vai chegar?
_Já te falei que não tem bofe nenhum!
Nesse momento, enquanto eu tirava as panquecas da frigideira, a campainha tocou. Cristiana foi atender, e depois de falar durante aproximadamente um minuto com alguém que começou perguntando por mim, ela fechou a porta, e trouxe uma cesta enrolada em celofane transparente, com um laço vermelho, até a bancada da cozinha. Dentro dele havia um ursinho de pelúcia branco.
_O Ninguém te mandou isso aqui – disse ela, com aquele sorriso “te peguei” no rosto.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Quem é o Cantor?!



Dezembro é um mês de retrospectivas, e esse retrospecto me fez lembrar uma lista que eu tinha preparado de possíveis assuntos para o blog, que, por alguma razão, continuam somente no projeto. Daí, verificando a lista, eu encontrei esse assunto que nos leva a mais uma retrospectiva interessante: a das canções que grudaram em nossas cabeças, e acabaram fazendo mais sucesso que seus intérpretes.
Sabe aquelas canções que a gente canta sempre que ouve, ou lembra por qualquer ou nenhum motivo, mas, não raramente, não sabemos ou não lembramos de quem é, ou, no mínimo, não fazemos ideia de que fim levou o artista? Então... É disso que vamos falar, dos famosos "one-hit wonders": os artistas de um único sucesso.
Dava para fazer uma lista bem longa, mas aqui relacionei apenas onze (que, na verdade são quatorze, como perceberão), que, na minha opinião, são os One-hit Wonders brasileiros mais marcantes, ou que têm uma história mais legal – ou que me remetem a uma história mais legal.

sábado, 5 de novembro de 2016

Cuidado Com Aquilo Que Perturbas...

Esse livro estava na minha lista de leitura desde 2013, e, acreditem se quiser quem me apresentou essa obra foi a Sophia Abrahão. Sim, a atriz. E não, não nos conhecemos. Vou explicar: estava eu, um belo dia assistindo Amor à Vida (a propósito, saudade do Félix), onde volta e meia o autor Walcyr Carrasco incluía uma boa dica de livro entre as cenas. Fazia pouco tempo que Sophia havia sido integrada ao elenco, no papel de Natasha, a irmã desconhecida de Nicole (Marina Ruy Barbosa), que havia acabado de morrer. Eis que numa cena, apareceu a Sophia Abrahão lendo Os Sete, de André Vianco. E não foi exatamente a capa que me chamou atenção para esse livro, mas o minúsculo resumo feito por ela: “Estou lendo Os Sete, do André Vianco. É sobre uma caravela portuguesa naufragada...”, e nesse momento ela foi interrompida pela Leila (personagem de Fernanda Machado), estraga prazeres, me deixando curiosa para saber o resto do enredo. Juro! Foi só isso que ela disse. Seis palavrinhas a respeito do enredo. Seis palavras mágicas que aguçaram minha curiosidade, e me incentivaram a pesquisar que livro era esse.

domingo, 30 de outubro de 2016

Em Casa de Malucos, Os Sonâmbulos Assustam Que É Uma Loucura...



E chegamos ao último episódio do nosso Halloween Animado. Esse mês foi uma deliciosa loucura! Produzir postagens com episódios na íntegra e fotos legendadas é uma verdadeira maratona, mas eu não vejo a hora de repetir a experiência no ano que vem.


Por hora, para encerrar esse ciclo maravilhoso que começou com desenhos animados – alguns retirados do fundo do baú –, e passou para os inesquecíveis e inigualáveis personagens de Chespirito, vamos nos divertir com uma aventura de Pancada Bonaparte, o protagonista do esquete Los Chifladitos: os dois malucos que enlouquecem toda a vizinhança com suas manias. No episódio de hoje eles vão descobrir que Toda Bela Tem Um Tio Que é Uma Fera!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Um Diabo Embaixo da Cama Incomoda Muita Gente...

Para a penúltima postagem do Halloween Animado, escolhi um episódio cujo vídeo já incorporei numa postagem aqui tempos atrás. É o meu episódio favorito do Chômpiras, protagonista do esquete Los Caquitos, que acabou se tornando a vedete do Programa Chespirito nas três últimas temporadas (1993-1995), quando Chaves e Chapolin deixaram de ser produzidos.

Talvez essa série não seja tão especial para vocês quanto é para mim – pois, assim como Chapolin e Chaves, os personagens mais famosos do Bolaños, Chômpiras também marcou a minha infância. Esse episódio, em particular, eu devo ter assistido algumas milhares de vezes, pois tinha gravado numa fita – sabe? VHS: aquele dinossauro que antecedeu os atuais DVDs e Blu-rays, e que hoje em dia são quase impossíveis de reproduzir, devido à extinção dos videocassetes. Uma pena, realmente.

No episódio de hoje vamos passar uma noite assustadoramente divertida no Hotel Mal-Assombrado!

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Da Próxima Vez, Vá Contar Histórias de Terror Para Assustar a Sua Avó!




 
Falar do episódio de Chapolin “A Casa Dada Não Se Contam os Fantasmas” me dá saudade de uma fita antiga que eu tinha em que o episódio do Chaves “Não Creio Em Fantasmas, Mas Que Existem...” vinha na sequência dele. De modo que é inevitável falar do outro depois de ter falado do um.

Sim, eu sei, todo mundo conhece esse episódio de cor e salteado... Mas não cortem meu barato. Os seguintes, eu prometo, serão desconhecidos do grande público.

Então, vamos prosseguir com nosso especial de Halloween, revisitando uma noite em que  Chaves estava se borrando de medo de um Filme de Terror!

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Casas Vemos, Fantasmas Não Sabemos

O Halloween continua Animado! Só que hoje não vamos falar de nenhum desenho. Como prometi lá no início do mês, nesse outubro especial eu contaria episódios de desenhos animados e também alguns episódios especiais de Chespirito. Então, chegou a hora de passarmos à segunda parte.

Eu sei que Chespirito é um tema recorrente aqui no blog, mas não vejo porque não resenhar um dos meus episódios favoritos de Chapolin Colorado. Sobretudo porque ele tem tudo a ver com o Halloween.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

É a Grande Abóbora, Charlie Brown!




Chegamos ao sexto (!) episódio do nosso Halloween Animado! E para o especial de hoje, escolhi um desenho que provavelmente também marcou a infância de muita gente. Porque eu sinceramente não conheço nenhuma pessoa que não goste ou tenha gostado do clássico criado por Charles M. Schulz em algum momento da vida.

E, convenhamos, não existe Halloween Animado, sem mencionar o grande especial de Halloween do Charlie Brown. (Aposto que, pela dica que deixei na postagem anterior, muita gente pensou que seria O Estranho Mundo de Jack, não é? Foi mal, pessoal! Num futuro não muito distante, quem sabe...?)

Meio desnecessário apresentar a Turma do Minduim, né? Aquele garoto meio melancólico, que, apesar de ser retratado só com um cachinho mínimo de cabelo sobre a testa, não era careca de acordo com o autor, mas tinha os cabelos tão claros que não apareciam em contraste com a pele; dono de um cachorro esperto viciado em algum tipo de alucinógeno que o fazia acreditar que era um Ás da Primeira Guerra Mundial; e que era constantemente sacaneado por Lucy, irmã de seu melhor amigo Linus, principalmente quando ela o convidava para jogar futebol.

Bem, o restante da turma, conheceremos no decorrer da história. 
 
O episódio que vou contar hoje foi produzido em 1966, e apesar disso continua super atual.

sábado, 15 de outubro de 2016

Uma Babá Nada Perfeita



Chegamos para mais um episódio do nosso Halloween Animado. Porque falar de desenho sempre é algo que me anima!

Ok, é muita animação para um parágrafo só. Então, vamos apresentar logo o escolhido da vez antes que vocês desanimem com a minha enrolação.

Anos atrás eu comentei alguma coisa sobre esse desenho aqui no blog, mas vamos relembrar: Beetlejuice foi criado em 1989, inspirado no filme Os Fantasmas Se Divertem, de Tim Burton, do ano anterior – mas o desenho acabou sendo mais divertido que o filme, convenhamos –, e teve quatro temporadas exibidas no Brasil pelo Cartoon Network; no SBT, o desenho chegou a "piscar" no Bom Dia & Cia. Ao contrário do filme, no desenho Beetlejuice não era malvado, apenas um fantasma muito atrapalhado e trambiqueiro, e a maior parte dos problemas que arranja são resultado de seu temperamento inconsequente. E, para quem se lembra do fantasma bizarro tentando se casar com Lydia, a garota gótica deprimente que no filme foi interpretada por Wynona Rider, verá que o relacionamento deles melhorou bastante no desenho, onde eles são melhores amigos, e ele não tem intenção nenhuma de torná-la sua senhora no mundo dos mortos.

O episódio que vou lhes apresentar hoje não tem como temática o Halloween, especificamente, mas ele é especial para mim por vários motivos: é o primeiro episódio da série, e foi o episódio que fez com que eu me apaixonasse por esses personagens malucos – nos tempos áureos em que o Cartoon Network exibia desenhos legais. Hoje em dia, tudo é Ben 10 e Steven Universe. Nada contra, mas, sinto falta dos bons desenhos do passado. 

Enfim, vamos acompanhar esta aventura de Beetlejuice tentando se sair bem em seu primeiro emprego no mundo dos mortos.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Obrigado Por Viajar Com a Nossa Empresa. Mas Cuidado Com os Vampiros No Vagão de Carga...



Bem-vindos a mais um episódio do nosso Halloween Animado! Hoje eu tenho o grande prazer de relembrar uma série que marcou a minha infância, e que, infelizmente, as novas gerações não fazem a menor ideia do que se trata.

Contos da Cripta foi produzida em dois formatos: tinha a série live-action (com atores) com histórias de terror bizarras – que, para falar a verdade, só conheço através da blogosfera e de trechos aleatórios do Youtube –, e tinha a série em desenho, que eu amava, e da qual vou falar hoje.

Durante algum tempo, lá no finalzinho dos anos 1990 e no comecinho dos anos 2000, Contos da Cripta em desenho animado (Tales From the Cryptkeeper, no original) foi transmitido pelo canal a cabo Fox Kids – alguém ainda se lembra da Fox Kids? Para quem não se lembra ou nunca ouviu falar, permita-me explicar: muitos anos atrás, uma parceria entre a Walt Disney Company e a 20th Century Fox deu à luz um bloco infantil, que, em 1990 se tornaria um canal totalmente voltado para o público de 7 a 14 anos: a Fox Kids. Não sei porque cargas d’água, um belo dia – meados de 2002 – eles decidiram retirar o canal do ar. No lugar dele, para suprir a baixa de um canal infantil na grade das operadoras de TV a cabo, a Disney lançou o Jetix – que se tornou o atual Disney XD, porque a Disney tem essa mania de ficar trocando o nome das coisas –, que chegou a exibir parte da programação da antiga Fox Kids – desenhos como Digimon, aquela cópia besta de Pokemon, e Beyblade, por exemplo –, mas jogou fora a maior parte do que o canal extinto tinha de bom.

O que é uma pena, porque a Fox Kids tinha muita coisa legal, como: Os Contos da Cripta; O Fantástico Mundo de Bobby; Carmen Sandiego – sim, a personagem dos jogos de computador –; uma série chamada Shirley Holmes, sobre uma sobrinha-neta de Sherlock Holmes, que também soluciona crimes; uma série remake de A Família Addams, de 1998; Zorro – a série da Disney, de 1957, com Guy Williams –; e a série Goosebumps, baseada nos livros de R. L. Stine; e, durante um tempo, o canal chegou, inclusive, a transmitir Os Três Patetas. Ah... Só de lembrar dá uma saudade...

Pois bem, depois desta longa explicação a respeito do canal, vamos falar um pouquinho do desenho.

Contos da Cripta foi produzido entre 1993 e 1999, e teve três temporadas com treze episódios cada – houve um hiato entre 1995 e 1998 em que o desenho deixou de ser produzido. Cada episódio trazia personagens diferentes – embora alguns tenham aparecido em mais de um episódio –, e uma história de terror diferente também, todas introduzidas e contadas pelo Guardião da Cripta (Cryptkeeper), um fantasma magrelo que vivia tentando proteger seu precioso livro de contos de terror de vilões como o Cavernoso (Vault Keeper) e a Bruxa Velha. 

O episódio que escolhi para resenhar hoje se passa no leste Europeu, numa região que ficou conhecida como berço dos vampiros. Preparem seus bilhetes, pois vocês estão prestes a embarcar no Expresso da Transylvania!

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Calma, Não Precisa Perder a Cabeça...

Estamos de volta para mais um episódio do nosso Halloween Animado!

Para o episódio de hoje, escolhi um dos meus desenhos favoritos: Hey Arnold! As aventuras do nosso querido cabeça de bigorna.

A série todo mundo conhece, né? Sobre aquele garoto cuja cabeça parece uma bola de futebol americano, e o cabelo parece ter tomado um choque de 220 volts, que mora numa pensão com os avós malucos – um aposentado que gosta de contar lendas urbanas, e uma senhora fora da caixinha, que parece viver numa realidade paralela dentro da própria cabeça sem parafusos –, e com outros pensionistas tão malucos quanto: um sujeito folgado que é sustentado pela mulher, um refugiado vietnamita, um baixinho que trabalha com demolições, e um possível agente secreto que vive se escondendo pelos cantos da pensão. E que tem um monte de amigos muito divertidos lá na sua escola, a P.S. 118.

No episódio de hoje, nenhuma das meninas aparecerá, pois os meninos decidiram reunir só o Clube do Bolinha para uma festa do pijama na casa do Arnold. E, a princípio, estava indo tudo muito bem, até alguém contar uma história de terror apavorante demais, pouco antes de decidirem sair para dar uma voltinha no parque à noite...


E foi quando tiveram um horrível encontro com O Cocheiro Sem Cabeça!

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

A Bruxa Está Solta!


Estamos de volta com mais um episódio especial do Halloween Animado no meu, no seu e no nosso Admirável Mundo Inventado. E é difícil imaginar uma sequência de postagens com desenhos animados para o Halloween sem incluir um bom episódio daquela turma de crianças enxeridas que ganham a vida – bem, para dizer a verdade, não sei se eles ganham alguma coisa com isso, mas sem dúvida se divertem pra caramba, e nos divertem também – caçando monstros por aí. Sim, eu estou falando deles; daquele quinteto sensacional, criado em 1969 por Iwao Takamoto, Joe Ruby e Ken Spears, e produzido por William Hanna e Joseph Barbera; e que mesmo usando sempre o mesmo visual dos anos 1960, nunca ficam fora de moda; aquele pessoal engraçado, liderado por um rapaz simpático que custa a se entender com a ruiva que gosta de bancar a donzela em perigo, que dirige um furgão pelo país inteiro, na companhia de um cachorro covarde e esfomeado, de um amigo atrapalhado e de uma garota esperta que sempre resolve todos os mistérios no final.
Com inúmeras temporadas com títulos diferentes, o desenho já mudou de formato, de resolução, e, nos últimos tempos, mudaram até a cara dos personagens – e, não sei quanto a vocês, mas desenho animado pra mim é que nem Havaianas: prefiro as legítimas, recuso imitações.
O episódio de que vou falar foi produzido em 1978, e exibido na terceira temporada de O Show do Scooby-Doo, e, como anunciei na postagem anterior, nossa aventura se passa em Salem, a cidade das bruxas, na noite de Halloween.
Vamos junto com os nossos amigos na Máquina de Mistérios visitar uma das cidades mais assombradas do mundo, e aprender Como Expulsar Uma Bruxa!

sábado, 1 de outubro de 2016

Presa, Pra Quê Te Quero!?




Desde o primeiro ano do blog, o mês de outubro sempre foi dedicado a filmes, séries de TV e contos voltados ao Halloween ou ao universo sobrenatural – com exceção do ano passado, quando, por questões pessoais, não pude postar aqui no blog. Mas este ano gostaria de fazer uma espécie de Halloween Animado.

Eu sou fã indiscutível de desenhos animados – bem, de desenhos anteriores aos anos 2000, porque desde então, tirando talvez Phineas & Ferb, assim como a música brasileira, os desenhos animados têm decaído vergonhosamente. Conste: estou falando de desenhos animados em série, e não de filmes de animação! Hannah-Barbera, Cartoon Network, Nickelodeon, Disney, Looney Toones, Animaníacs... Ah, só de lembrar dá uma nostalgia…

Pois bem, separei alguns episódios de Halloween dos meus desenhos animados favoritos para compartilhar com vocês ao longo deste mês de outubro, e também alguns episódios especiais de Chespirito.


E já vamos começar matando a saudade de um desenho que há muitos anos deixou de ser exibido no Brasil. No início dos anos 90, fazia parte do Programa TV Colosso, da Globo.

Produzido em 1991, e com apenas 13 episódios, Onde Está Wally? foi inspirado numa série de livros de atividades, criados pelo britânico Martin Handford, cujo objetivo era encontrar os personagens em cenas abarrotadas. O pessoal mais novinho  provavelmente não conhece esse desenho, mas já deve ter ouvido alguma vaga referência por aí. Afinal, volta e meia alguém de brincadeira ainda faz a icônica pergunta “Onde Está Wally?”.

Hoje nós vamos embarcar com ele numa aventura por uma terra assombrada, e descobrir que o que mais dói num vampiro em Minha Presa Esquerda!

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Desafio #22: Como Tudo Começou...





Ah, nada como uma boa aventura de capa e espada! Aliás, já comentei alguma coisa a respeito desse livro alguns anos atrás quando escrevi um resumo da novela Zorro – A Espada e a Rosa, mas por uma série de razões acabei não postando uma resenha sobre o livro. E como ando meio nostálgica nos últimos tempos, relendo vários dos meus livros favoritos por pura diversão (porque, de fato, não há motivo melhor!), decidi que já estava na hora de falar um pouco sobre este romance – já pegando o gancho no tema “Com mais de 300 páginas” do Desafio Literário.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Ode à Primavera



A chegada da primavera remete tantos sentimentos bons, tanta beleza, tanta poesia... E em se tratando de poesia, ninguém jamais retratou a primavera com tanta delicadeza quanto ela: Cecília Meireles.

“Aprendi com a primavera a me deixar cortar e a voltar sempre inteira”.

Uma frase que me encantou ao primeiro contato, e que traz uma reflexão profunda sobre a maneira como devemos encarar os dissabores da vida.

Bem, o poema que trago a vocês hoje não é o que contém esta frase; mas é uma ode à primavera, que sempre me encanta.


Com vocês, Cecília Meireles:



segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Ela Perde o Sapato, Mas Não Perde o Carisma


E finalmente chegamos ao último episódio prometido da série alemã Sechs auf einen Streich (Os Melhores Contos de Grimm). Para encerrar com chave de ouro, eu reservei um conto bem conhecido de todos, mas aposto que muitos de vocês ficarão surpresos ao conhecer a versão original, contada diretamente pelo povo alemão.

A Gata Borralheira



Sim, é a história da Cinderela; mas sem Bibit Bobit Bum.

sábado, 10 de setembro de 2016

Por Fora, Estranha Viola; Por Dentro, Um Príncipe de Múltiplos Talentos...


Aqui estamos para mais um episódio da série alemã Sechs auf einen Streich (Os Melhores Contos de Grimm). Como prometi, apresentarei meus quatro episódios favoritos da série, e para esta terceira postagem, escolhi um conto que também não é muito conhecido no Brasil, cuja história vale muito a pena conhecer.

O Rei Bico-de-Tordo


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Como Enrolar Um Rei [Supostamente] Esperto, Sendo Mais Esperta Que Ele



Estamos de volta com mais um episódio da série alemã Sechs auf einen Streich (Os Melhores Contos de Grimm). Como prometi, apresentarei meus quatro episódios favoritos da série, e para esta segunda postagem, escolhi um conto que não é muito conhecido no Brasil, mas que é realmente encantador.

A Esperta Filha do Camponês

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Meu Reino Por Um Segredo


Contos de Fadas são, definitivamente, uma das fontes mais ricas em que os autores podem beber. E acho que está mais do que comprovado que essas histórias tão antigas e inocentes agradam tanto crianças quanto adultos. Prova disso é o sucesso de séries como Once Upon a Time e Grimm, que não são voltadas especificamente para o público infantil – a segunda nem um pouquinho.

E quem melhor para falar de contos de fadas do que os nativos do país de origem da maior parte dessas histórias?

Já faz algum tempo que o canal +Globosat está transmitindo a série alemã Sechs auf einen Streich (em tradução livre Seis de Uma Vez Só, mas recebeu como título no Brasil Os Melhores Contos de Grimm – embora houvesse também, entre as histórias adaptadas, contos de Hans Christian Andersen e Charles Perrault), que traz em cada episódio um conto diferente, com duração de uma hora. Alguns bem tradicionais e conhecidos – como Branca de Neve, Cinderela e A Bela Adormecida –, e outros menos conhecidos por nós ocidentais – como O Ladrão-Mestre, A Luz Azul e As Moedas-Estrelas (nunca ouviu falar nesses contos? Clique nos títulos para ler). Porém, mesmo as histórias mais conhecidas, foram recontadas de uma maneira um pouco diferente da que conhecemos – sobretudo porque a versão que conhecemos de algumas delas é bem diferente do conto original.

Além do canal +Globosat, onde, eventualmente, a série passa alguns meses fora do ar – para não ficar exaustivo, já que a emissora tem apenas vinte episódios –, a série também é transmitida aos sábados na Cultura, embora, neste caso, ela perca boa parte do encanto, pois, no canal a cabo, a série é exibida legendada, com o áudio original em alemão. Na versão dublada, as histórias meio que perdem a magia.

Seja lá como for, separei quatro contos que gostaria de compartilhar com vocês – os que, para mim, foram os melhores episódios. Três desses contos não são muito conhecidos por aqui; já o último é mais tradicional, mas a forma como foi apresentado na série é bem diferente da versão Disney. Então, vamos ao primeiro deles:

Os Sapatos Gastos de Tanto Dançar

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Isto Merece Um Prêmio! OBA!



Senhoras e Senhores! Ladies & Gentlemen! Meus amigos e minhas amigas dessa imensa blogosfera! É com muito orgulho e grandessíssima honra que venho anunciar que o Admirável Mundo Inventado foi indicado ao Prêmio Dardo Bloggers pelo Rafael Rodrigues do blog Na Companhia de Livros.


sexta-feira, 5 de agosto de 2016

[TAG] Olimíadas da Ficção



Pegando carona nos Jogos Olímpicos, que se iniciam esta semana, resolvi criar uma TAG inspirada nos jogos. Aqui vamos listar filmes, livros, séries, personagens, enfim... Representantes fictícios que facilmente chegariam ao pódio em dez modalidades olímpicas adaptadas para o que eu chamei de Olimpíadas da Ficção.
 
Para participar da TAG é bem simples:

* Faça uma postagem no seu Blog, Facebook, Instagram ou Google+, colando as definições de cada categoria.

* Responda a cada uma delas com os seus medalhistas de ouro, prata e bronze (se quiser, pode responder logo abaixo de cada definição).

* Convide seus amigos para participar.
Simples assim.

* Não se esqueça de colar o selo da TAG na sua postagem e colocar o link de quem te indicou.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Desafio #21: Entre o Livro e o Filme... Posso Escolher os Dois?


Seguindo em frente com o Desafio Literário, chegou a hora de Um Livro Que Virou Filme. E tal como aconteceu com Orgulho & Preconceito, o escolhido da vez foi um livro que eu já tinha lido outras vezes, e que eu amo de paixão.



Mas aqui sou obrigada a fazer uma confissão: embora eu goste demais do livro, tenho que admitir que algumas coisas me decepcionaram um pouco no final da história. Mais especificamente no que toca o final da bruxa Lilim – que no filme foi vivida por Michelle Pfeiffer. Diversas partes do livro foram alteradas no filme (cuja review já está escrita, e será postada em breve), e isso melhorou muito o andamento da história. O final, particularmente, ficou maravilhoso no filme. No livro... Bem, é um pouco diferente.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Eu Te Transformei Nessa Canção Pra Poder Te Gravar Em Mim ♪♪







 
 Pegando emprestados os versos da música Equalize, da Pitty, hoje eu quero falar de gente que amou e que musicou esse amor.
Não é de hoje que o termo musa inspiradora mexe com o imaginário popular. As musas eram entidades gregas a quem se atribuía a capacidade de inspirar a criação artística ou científica. Mas já faz tempo que elas deixaram de existir apenas na mitologia grega, e passaram a assumir forma humana; e, dessa forma, inspirar lindas obras.
Não que esse talento – de inspirar os artistas – seja uma exclusividade feminina, como verão nesta lista.
Aqui eu separei apenas dez músicas, cujas musas e histórias que as inspiraram valem a pena conhecer.

Garota de Ipanema

 
Compositor: Vinícius de Moraes (letra) e Tom Jobim (música)
Musa: Helô Pinheiro
Em 1962, um poetinha maroto, compositor de diversos sucessos gravados durante sua parceria com Antônio Carlos Jobim, encantou-se por uma certa “moça do corpo dourado” que passeava pela praia sob o “sol de Ipanema”, e “seu balançado” que era “mais que um poema, a coisa mais linda que ele já viu passar” tornou-se conhecido no mundo inteiro.
Provavelmente quando passou balançando diante desse poeta, a jovem Helô Pinheiro – mãe de Ticiane Pinheiro, ex-mulher de Roberto Justus – nem desconfiava de que seria musa de uma das canções brasileiras mais conhecidas e traduzidas no mundo todo, praticamente um símbolo nacional.

 
 A versão em inglês, The Girl From Ipanema, foi escrita por Norman Gimbel, em 1963, e já foi gravada por artistas como Frank Sinatra (inclusive num dueto com o próprio Tom Jobim), Ella Fitzgerald e Amy Winehouse. Outros artistas, que não chegaram a gravar, mas cantaram a canção em seus shows foram: Madonna, Sepultura, o ator Rick Moranis (em versão rap), e até o pugilista Mike Tyson, acompanhado por Daniel Jobim, neto de Tom Jobim, no Caldeirão do Huck.
Hoje em dia é quase impossível mapear todos os idiomas para os quais a canção já foi traduzida, mas sabe-se que a Garota de Ipanema já se tornou La Fille d’Ipanema, em francês, versão escrita por Eddy Marnay; La Ragazza di Ipanema, em italiano, gravada por Mina Mazzini; Ipaneman tyttö, em finlandês, versão gravada por Laila Kinnunen; e ganhou até uma versão em esperanto (língua artificial mais falada no mundo), chamada Knabino el Ipanema, gravada por Flavio Fonseca e Alejandro Cossavella.
Sem falar que a canção já figurou em diversos filmes e séries internacionais: embalou Brad Pitt e Angelina Jolie numa cena de rara tranquilidade dentro do elevador de uma loja de departamentos, enquanto aguardavam para sentar chumbo em geral, em Sr. & Sra. Smith; o icônico rebelde mascarado cozinhou ao som da nossa musa numa das cenas mais tranquilas de V de Vingança; também é a música ambiente na sala de espera do consultório do dentista australiano em Procurando Nemo; Amy Farrah Fowler (Mayim Bialik) tocou a canção em sua harpa no segundo episódio da quinta temporada de The Big Bang Theory; e até o Homer Simpson já fez uma dancinha engraçadinha ao som da nossa musa a bordo de um submarino num episódio da décima temporada de Os Simpsons.
Por aí já dá para se ter uma ideia da popularidade dessa garota, né? Aliás, reza a lenda, que Garota de Ipanema é a segunda música mais tocada no mundo, atrás somente de Yesterday, dos Beatles.
Essa musa não é fraca, não!


Garota De Ipanema

Olha que coisa mais linda,
Mais cheia de graça.
É ela, menina,
Que vem e que passa,
Num doce balanço,
A caminho do mar.

Moça do corpo dourado,
Do sol de Ipanema,
O seu balançado é mais que um poema,
É a coisa mais linda que eu já vi passar.

Ah, por que estou tão sozinho?
Ah, por que tudo é tão triste?
Ah, a beleza que existe...
A beleza que não é só minha,
Que também passa sozinha.

Ah, se ela soubesse,
Que quando ela passa,
O mundo inteirinho se enche de graça,
E fica mais lindo
Por causa do amor.


Luísa

 

Compositor: Antônio Carlos Jobim
Musa: Ana Luíza
Já que começamos com uma música que ficou famosa na voz do mestre Tom Jobim, embora cantando a musa de outro poeta, nada mais lógico que dar sequência à lista com uma de suas musas.
Tom Jobim compôs para várias musas (Lygia, Tereza da Praia, Ana Luíza...), mas houve uma em especial que inspirou uma das – senão a – mais belas canções brasileiras: Luíza.
Esta música já figurou outra lista aqui no blog, mas música boa sempre cabe em mais uma playlist.
Em um dia chuvoso, uma moça alta e bonita correu para a varanda de um bar para se proteger. Seu nome era Ana Luíza, e sua presença não deixou de ser notada por Tom Jobim, que estava no bar na companhia de Chico Buarque e Carlinhos Oliveira. Desse encontro casual nasceram duas canções: “Ana Luíza” e “Luísa”, mas a primeira, embora bonita também, não teve o mesmo encanto da segunda.
Luísa é uma trova linda, com versos apaixonados, de beleza sem par; uma intensa declaração de amor, convertida em, me atrevo a afirmar, uma das canções mais bonitas do mundo.
Curiosamente, em 1986, Tom Jobim se casou com outra Ana [Beatriz Lontra], e um ano mais tarde nasceu outra Luíza [Maria Luíza, fruto dessa união]. Por isso o músico chegou a declarar que havia composto uma canção premonitória.

 
 Da Ana Luíza que se abrigou da chuva no bar, e em quem Tom realmente se inspirou para escrever a canção, não foi possível encontrar nenhuma foto.

Luísa

Rua,
Espada nua.
Boia no céu imensa e amarela,
Tão redonda a lua,
Como flutua,
Vem navegando o azul do firmamento.
E no silêncio lento,
Um trovador, cheio de estrelas.
Escuta agora a canção que eu fiz
Pra te esquecer Luísa.
Eu sou apenas um pobre amador,
Apaixonado,
Um aprendiz do teu amor.
Acorda amor,
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração.

Vem cá, Luísa,
Me dá tua mão,
O teu desejo é sempre o meu desejo.
Vem, me exorciza,
Dá-me tua boca,
E a rosa louca,
Vem me dar um beijo.
E um raio de sol,
Nos teus cabelos,
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores,
Revelando então os sete mil amores
Que eu guardei somente pra te dar Luíza.
Luísa...



Anna Julia

 

Compositor: Marcelo Camelo
Musa: Anna Julia Werneck
Bem, vamos agora a 1998, quando uma música chiclete estourou, e uma garota caiu – literalmente – na boca do Brasil inteiro.
O nome dela era Anna Julia Werneck, estudante da PUC-Rio, por quem o então produtor da banda, Alex Werner, era apaixonado; porém, tímido demais para se declarar à moça, acabou contando com a ajudinha de uma canção que tornou sua paixão e a banda Los Hermanos – até então desconhecida – um sucesso nacional.

 
 Anna Julia foi escrita por Marcelo Camelo, vocalista da banda. Foi a primeira música de trabalho dos Los Hermanos, e, convenhamos, a primeira – para não dizer única – que nos vem a cabeça quando a banda é mencionada. O romance do produtor com a musa da banda acabou sendo curto, mas o sucesso de Anna Julia, perdura.
Uma curiosidade é que essa musa também ganhou uma versão em inglês, que foi gravada pelo ex-Beatle George Harrison. Não é fraca, não!


Anna Julia
Quem te vê passar assim por mim,
Não sabe o que é sofrer,
Ter que ver você, assim,
Sempre tão linda.
Contemplar o sol do teu olhar,
Perder você no ar.
Na certeza de um amor.
Me achar um nada,
Pois sem ter teu carinho,
Eu me sinto sozinho,
Eu me afogo em solidão.

Oh, Anna Júlia
Oh, Anna Júlia

Nunca acreditei na ilusão de ter você pra mim,
Me atormenta a previsão do nosso destino:
Eu passando o dia a te esperar,
Você sem me notar.
Quando tudo tiver fim,
Você vai estar com um cara,
Um alguém sem carinho,
Será sempre um espinho,
Dentro do meu coração.

Oh, Anna Júlia
Oh, Anna Júlia

Sei que você já não quer o meu amor.
Sei que você já não gosta de mim.
Eu sei que eu não sou quem você sempre sonhou,
Mas vou reconquistar o seu amor todo pra mim.

Oh, Anna Júlia
Oh, Anna Júlia
Oh, Anna Júlia
Oh, Anna Júlia, Júlia, Júlia


Carla

 

Compositor: Marcus Menna
Musa: Carla Cappelletti
Uma das minhas bandas favoritas de todos os tempos, e que, infelizmente, não existe mais, é o LS Jack. Liderada por Marcus Menna, a banda ganhou o coração do Brasil em 2001, quando o vocalista escreveu uma música para homenagear sua então esposa Carla. Curiosamente, Marcus Menna não tinha a intenção de colocar o nome de sua amada na canção, mas o produtor do grupo insistiu e ele acabou cedendo.

 
 O resultado foi que a canção acabou sendo a sétima música mais tocada no Brasil naquele ano, e a 28° mais tocada na década de 2000. Chamar de sucesso é pouco.
Para infelicidade dos fãs, porém, três anos depois, Marcus sofreu uma parada cardiorrespiratória durante uma lipoaspiração, que o fez permanecer alguns meses em coma induzido, e as sequelas o afastaram do cenário musical por um longo tempo. A banda não conseguiu ir em frente sem o seu vocalista – que se recuperou, mas não retomou a carreira –, mas deixou um bom catálogo de sucessos para a nossa memória afetiva.


Carla
Eu cheguei a deixar
Vestígios pra você me achar,
Foi assim que entreguei meu coração, devagar.
Eu tentei te roubar
Aos poucos pra você notar que fui eu
Te guardei onde ninguém vai tirar.

No fundo dos meus olhos,
Pra dentro da memória te levei.
Amor, você me tentou,
Oh, Carla!

Eu te amei como jamais
Um outro alguém vai te amar.
Antes que o sol pudesse acordar,
Eu te amei, oh, Carla!
Oh, Carla!

Eu te amei, oh, Carla!
Eu te amei, oh, Carla!

Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos

 

Compositor: Roberto Carlos e Erasmo Carlos
Musa: Caetano Veloso
Não, gente! Nem o Rei, nem o Tremendão foram namorados de Caetano Veloso. Esse buraco não é tão mais embaixo assim.
Era aquele período tenebroso da História do nosso país, em que o Brasil era regido pela Ditadura Militar. Várias pessoas – políticos, artistas, pensadores, jornalistas, ativistas, enfim, diversos profissionais – foram exilados. O filho de Dona Canô foi um deles, porque suas músicas protestavam abertamente contra o regime. A comunicação naquele tempo era escassa e rigorosamente controlada pelos militares. Telefonemas eram grampeados, cartas eram apreendidas no caminho e seu conteúdo minuciosamente examinado – violação de correspondência, a gente se vê por aqui! Os militares tinham imunidade diplomática nesse quesito –, de modo que era difícil receber e transmitir notícias aos companheiros no exílio. Por isso, alguns artistas da época passaram a “esconder” mensagens em suas canções.
O Rei Roberto Carlos foi um deles. A chamada censura também controlava o conteúdo das obras intelectuais que chegavam às mãos e aos ouvidos dos brasileiros na época – livros, revistas, jornais, canções –, mas a canção que Roberto gravou em 1971 acabou passando batida, pois ele soube disfarçar a crítica à situação política do país e a homenagem ao amigo exilado em Londres em uma poesia singela e linda.

 
 Os “caracóis dos cabelos” a que se referia na música, eram os cachos que Caetano ostentava naquele tempo, e a “história” que ele tinha “pra contar” não era tão bonita quanto a canção fazia parecer. Mas carregava a esperança de voltar, quando tudo terminasse. Demorou quase uma década, mas Caetano pôde, enfim, regressar “pisando a areia branca que é seu paraíso”, quando os militares deixaram o poder.

Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos

Um dia a areia branca
Teus pés irão tocar,
E vai molhar seus cabelos
A água azul do mar.

Janelas e portas vão se abrir
Pra ver você chegar.
E ao se sentir em casa,
Sorrindo vai chorar.

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos,
Uma história pra contar,
De um mundo tão distante.
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos,
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante.

As luzes e o colorido
Que você vê agora,
Nas ruas por onde anda,
Na casa onde mora,

Você olha tudo e nada
Lhe faz ficar contente.
Você só deseja agora
Voltar pra sua gente.

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos,
Uma história pra contar,
De um mundo tão distante.
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos,
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante.

Você anda pela tarde,
E o seu olhar tristonho,
Deixa sangrar no peito
Uma saudade, um sonho.

Um dia vou ver você
Chegando num sorriso,
Pisando a areia branca
Que é seu paraíso.

Debaixo dos caracóis dos seus cabelos,
Uma história pra contar,
De um mundo tão distante.
Debaixo dos caracóis dos seus cabelos,
Um soluço e a vontade
De ficar mais um instante.


Menino do Rio

 

Compositor: Caetano Veloso
Musa: José Artur Machado, o Petit
Falando em Caetano Veloso, vamos recordar uma canção que ele compôs em 1979, e que ganhou o Brasil na voz de Baby do Brasil – na época, ainda chamada de Baby Consuelo. Aliás, uma música linda, que foi tema de abertura da novela Água Viva, de 1980 – época em que eu ainda não estava nem nos planos dos meus pais; nunca estive na realidade; e que eles ainda nem se conheciam, só para ficar registrado.
O doce Menino do Rio, do “dragão tatuado no braço”, do “calção corpo aberto no espaço e coração de eterno flerte”, foi um surfista, que pegava ondas na praia de Ipanema nos anos 1970, e que era amigo de diversos artistas, incluindo Caetano Veloso. Conhecido como Petit, ele era a síntese de uma geração de jovens bronzeados, com nenhum outro compromisso com a vida, se não viver.

 

O desfecho de sua história, porém, não foi tão belo como a canção. Petit não conseguiu superar as sequelas de um acidente que sofrera em 1987, nem a dependência química, e, em 1989, aos 32 anos de idade, foi encontrado enforcado em seu apartamento com a faixa do quimono de jiu-jitsu. Foi encontrado da maneira como fora imortalizado nos versos de Caetano: calção, corpo aberto no espaço.


Menino do Rio

Menino do Rio,
Calor que provoca arrepio,
Dragão tatuado no braço,
Calção corpo aberto no espaço,
Coração, de eterno flerte,
Adoro ver-te...

Menino vadio,
Tensão flutuante do Rio,
Eu canto pra Deus,
Proteger-te...

O Hawaí, seja aqui,
Tudo o que sonhares,
Todos os lugares,
As ondas dos mares.
Pois quando eu te vejo,
Eu desejo o teu desejo...

Menino do Rio,
Calor que provoca arrepio,
Toma esta canção
Como um beijo...



Namoradinha de Um Amigo Meu

 

Compositor: Roberto Carlos
Musa: supostamente, Maria Stella Splendore
O estilista Dener Pamplona de Abreu, um dos pioneiros da moda no Brasil, casou-se em 1965 com Maria Stella Splendore, uma de suas manequins – como eram chamadas na época as modelos de passarela. O casamento durou somente quatro anos, e o casal teve dois filhos: Frederico Augusto e Maria Leopoldina. Todavia, de acordo com declarações posteriores de Maria Stella Splendore, o pai de sua filha poderia ser, na verdade, o cantor Roberto Carlos, com quem ela teve um caso enquanto era casada com Dener.

 

Bem, se a filha da modelo – que ganhou um nome de princesa – é mesmo filha do rei, nunca se pôde comprovar, mas esta não foi a única polêmica levantada por Maria Stella.
Ela também afirmou para a imprensa que teria sido a musa inspiradora de A Namoradinha de Um Amigo Meu, composta por Roberto em 1966. O rei nunca confirmou a história.
Mas a música é daquelas que, provavelmente, todo mundo – ou quase todo mundo – já se identificou alguma vez na vida.

 

Namoradinha de Um Amigo Meu

Estou amando loucamente
A namoradinha de um amigo meu.
Sei que estou errado,
Mas nem mesmo sei como isso aconteceu.

Um dia sem querer olhei em seu olhar,
E disfarcei até pra ninguém notar.
Não sei mais o que faço
Pra ninguém saber que estou gamado assim.

Se os dois souberem,
Nem mesmo sei o que eles vão pensar de mim.
Eu sei que vou sofrer, mas tenho que esquecer,
O que é dos outros não se deve ter.

Vou procurar alguém que não tenha ninguém,
Pois comigo aconteceu
Gostar da namorada de um amigo meu.


Esse Amor

 

Compositor: Dan Torres
Musa: Cídia Luíze
Essa canção não foi nenhum sucesso monstruoso, mas a história por trás dela é bem interessante. Cídia Luíze e Dan Torres se conheceram quando participavam da terceira edição do reality show musical Fama, na Globo, em 2004, e o músico quase imediatamente se encantou pela bela cantora. Durante a competição, nada aconteceu – pelo menos, nada que tenha sido exibido –, a não ser Esse Amor.

 
 Dan Torres foi eliminado na semifinal, mas Cídia foi até o fim, ao lado de Tiago Silva – não o jogador do Paris Saint-Germain; o cantor que formou a dupla com Hugo Alves, outro participante daquela edição do programa – e João Sabiá – que posteriormente fez uma ponta, como ator, na novela Paraíso. E na grande final, Cídia se apresentou ao lado de seu admirador com uma canção inédita, que ele compôs especialmente para ela – disse, na época, que compôs para ela cantar, mas a história mostra que sua intenção ia muito mais além.
A canção foi bem recebida pelo público, o dueto do casal ficou lindo no palco, Cídia foi vice colocada no programa – o campeão foi Tiago –, gravou alguns CDs ao lado de Dan Torres, e a relação que começou como um simples affair de reality show com direito a canção romântica especial, durou até 2008, quando a dupla e o casal decidiram se separar.
Cídia abandonou a carreira musical e hoje em dia se dedica à vida de empresária; Dan recentemente deu voz à música de abertura da novela Império, a regravação de Lucy in the Sky With Diamonds, dos Beatles; e a canção de sua musa – piegas, porém, bonita – não é mais tão lembrada hoje em dia – uma década depois de seu lançamento –, mas vale a pena retirar do baú.



ESSE AMOR

[Cídia]
Essa noite não tem hora,
O sol vai esperar.
Nossos corpos conversando
Sem a gente nem falar.

[Dan]
E agora eu sei, o que é amor:
É tudo que eu vejo em teu olhar.
Eu já entendi,
Eu já sei porque,
Eu tô aqui: pra amar você!

[Refrão]
Esse amor não tem palavras,
Nem explicação,
Mas não é preciso.
Teu sorriso sem querer...
Te amo sem medo.
É se entregar,
É Respirar.

[Dan]
Vou ouvir teu silêncio,
Você perto de mim.
Te beijar sem descanso,
O amor que não tem fim.

[Cídia]
Eu não sei viver se for sem você,
Meu mundo hoje está em suas mãos.

[Dan]
Eu já entendi,
Eu já sei porque,
Eu tô aqui: pra amar você!

[Refrão]
Esse amor não tem palavras,
Nem explicação,
Mas não é preciso.
Teu sorriso sem querer...
Te amo sem medo.
É se entregar,
É Respirar.


Mia Gioconda

 

Compositor: Vicente Celestino
Musos: Iole e João Pedro Paz
Em junho de 1945, quando o governo brasileiro realizou uma festa de recepção aos combatentes da Força Expedicionária Brasileira (FEB) no Cassino da Urca, no Rio, o cantor Vicente Celestino, que estava entre os convidados, encantou-se com a história de um dos pracinhas, João Pedro Paz, na época com 23 anos. O relato nada tinha a ver com sua bravura em combate, mas com o fato de ter deixado o grande amor de sua vida na Itália.
João conheceu a italiana Iole, então com 17 anos, em seu dia de folga, num baile vespertino, realizado no Cinema Garibaldi, na localidade de Pescia, em março de 1945. Ali, ao som de Moonlight Serenade, de Glenn Miller, os dois se apaixonaram e iniciaram um romance. Porém, sua história de amor tinha sido interrompida pelo retorno da FEB ao Brasil.
As namoradas não tiveram permissão para viajar com os pracinhas, mas antes do embarque, João prometera à sua amada – com quem não se entendia com palavras, mas somente com o olhar –, que a buscaria para que pudessem se casar.
Três meses após o seu retorno ao Brasil, João recebeu uma carta de sua amada, informando que estava grávida. A história de amor do pracinha foi tão tocante, que um jornalista da extinta Folha da Tarde de Porto Alegre iniciou uma campanha para arrecadar fundos para bancar a viagem de Iole ao Brasil.
Diferentemente da canção, porém, o romance teve um final feliz. O casal se casou por procuração – ele, em Porto Alegre, ela, em Pescia. Meses depois, Iole – que, na verdade, não era bionda (loira), mas morena – chegou ao Brasil para viver com seu amado, trazendo o filho, Pedrinho, com três meses de idade. O menino morreu doze anos depois, mas o casal ainda teve outra filha, Ana Maria. O casal ainda está vivo, e seu casamento já dura sete décadas.

 
 A história inspirou Vicente Celestino, conhecido à época como Voz Orgulho do Brasil, a compor Mia Gioconda, uma das mais belas canções brasileiras – quiçá, uma das mais belas do mundo! –, que ficou famosa na voz de seu compositor, e mais tarde foi gravada por diversos artistas, chegando a fazer parte da trilha da novela O Rei do Gado, nas vozes de Agnaldo Rayol e Christian & Ralf.
 

Mia Gioconda

Do dia que nascemos e vivemos para o mundo,
Nos falta uma costela que encontramos num segundo.
Às vezes muito perto desejamos encontrá-la,
No entanto é preciso muito longe ir buscá-la.

Vejamos o destino dum pracinha brasileiro,
Partindo para a Itália transformou-se num guerreiro.
E lá, muito distante, despontar o amor sentiu,
E disse estas palavras a uma jovem quando a viu:

Italiana,
La mia vita oggi sei tu. (A minha vida hoje é você)
Io te voglio tanto bene, (Eu te quero muito bem)
Partiremo due insieme, (Partiremos os dois juntos)
Ti lasciar non posso più. (Te deixar não posso mais)

Italiana,
Voglio a ti piccola bionda. (Eu te quero pequena loira)
Hai il viso degli amore, (Tens o rosto dos amores)
Le tue labbra son due fiore, (Os teus lábios são duas flores)
Tu sarai mia Gioconda. (Tu serás minha Gioconda)

Vencido o inimigo que antes fora varonil,
Recebeu a FEB ordem de embarcar para o Brasil.
Dizia a mesma ordem: “Quem casou, não poderá,
Levar consigo a esposa, a esposa ficará”.

Prometeu, então, o bravo, ao dar baixa e ser civil:
“Embarcarás, amada, para os céus do meu Brasil”.
E enquanto ela esperava lá no cais napolitano,
Repetia estas palavras no idioma italiano:

Brasiliano, (Brasileiro)
La mia vita oggi sei tu. (A minha vida hoje é você)
Io te voglio tanto bene, (Eu te quero muito bem)
Chiedo a Dio que tu venga, (Peço a Deus que você volte)
Ti scordar non posso più. (Te esquecer não posso mais)

Brasiliano, (Brasileiro)
Sono ancora la tua bionda. (Sou ainda a tua loira)
Mio sposo hai lasciato (Meu esposo deixaste)
Questo cuore abandonato, (Este coração abandonado)
Che chiamasti di Gioconda. (Que chamaste de Gioconda)

Di Gioconda!
Di Gioconda!


Lucy In The Sky With Diamonds


Compositor: John Lennon
Musa: Lucy O’Donnell
Musas e musos não são exclusividade dos compositores brasileiros – óbvio! –, e algumas canções internacionais também têm histórias interessantes relacionadas à pessoa que as inspirou. Esta, em particular, merece menção, porque a história por trás dela – ao menos, parte da história – é bem fofa.
Numa tarde de 1967, Julian Lennon, filho de John e Cynthia Lennon, na época com apenas quatro anos de idade, mostrou ao pai um desenho que fizera de uma coleguinha do jardim de infância: a menina rodeada por estrelas de formas variadas. Quando John perguntou ao filho o que significava, ele respondeu: “It’s Lucy in the Sky with Diamonds” (Esta é Lucy no céu com diamantes). Ali nascia uma das canções de maior sucesso – e polêmica – dos Beatles.

 
 O desenho que inspirou a música:
 
 Não sei onde exatamente Julian colocou a menina neste desenho, mas esta é Lucy no céu com diamantes.

Durante muito tempo, John precisou negar exaustivamente que a música fizesse referência a drogas. A canção gerava controvérsia desde o título, pois as iniciais dos substantivos formavam – não se sabe se intencionalmente – a sigla “LSD”, referência que Lennon negou veementemente. Colaborava, ainda, para a polêmica, o fato de que a letra parecia descrever uma viagem alucinógena. Mais tarde, porém, Lennon explicou que outro foco de inspiração da canção foi o livro Alice Através do Espelho, de Lewis Carroll. É fato conhecido que Alice No País das Maravilhas e Alice Através do Espelho foram os dois livros favoritos de John Lennon na infância. Também é fato conhecido que ambos os livros parecem descrever um sonho extremamente maluco – e que algumas das maluquices descritas na música parecem realmente ter sido inspiradas em partes do livro.
Seja lá como for, a garota com olhos de caleidoscópio acabou ganhando o mundo, e recentemente – como mencionei alguns parágrafos atrás – foi tema de abertura da novela Império, na voz de Dan Torres.


Lucy In The Sky With Diamonds

Picture yourself in a boat on a river
With tangerine trees and marmalade skies
Somebody calls you, you answer quite slowly
A girl with kaleidoscope eyes

Cellophane flowers of yellow and green
Towering over your head
Look for the girl with the sun in her eyes
And she's gone

Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds

Follow her down to a bridge by a fountain
Where rocking horse people eat marshmallow pies
Everyone smiles as you drift past the flowers
That grow so incredibly high

Newspaper taxis appear on the shore
Waiting to take you away
Climb in the back with your head in the clouds
And you're gone

Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds
Lucy in the sky with diamonds

Picture yourself on a train in a station
With plasticine porters with looking glass ties
Suddenly someone is there at the turnstile
The girl with kaleidoscope eyes

Lucy in the sky with diamonds

Lucy No Céu Com Diamantes
Imagine-se em um barco num rio
Com árvores de tangerina e céus de marmelada
Alguém te chama, você responde lentamente
Uma garota com olhos de caleidoscópio

Flores de celofane amarelas e verdes
Elevando-se sobre sua cabeça
Procure pela garota com o sol em seus olhos
E ela se foi

Lucy no céu com diamantes
Lucy no céu com diamantes
Lucy no céu com diamantes

Siga-a até a ponte perto da fonte
Onde pessoas com cavalos de pau comem tortas de marshmallow
Todos sorriem enquanto você é levado através das flores
Que crescem tão inacreditavelmente alto

Táxis de jornais aparecem à margem do rio
Esperando para levá-lo embora
Suba na traseira com sua cabeça nas nuvens
E você se foi

Lucy no céu com diamantes
Lucy no céu com diamantes
Lucy no céu com diamantes

Imagine-se em um trem na estação
Com carregadores de massa-de-modelar com gravatas espelhadas
De repente, alguém está lá na catraca
A garota com olhos de caleidoscópio

Lucy no céu com diamantes

 

Meus Livros No Skoob