Conheçam Meus Livros

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Desafio #22: Como Tudo Começou...





Ah, nada como uma boa aventura de capa e espada! Aliás, já comentei alguma coisa a respeito desse livro alguns anos atrás quando escrevi um resumo da novela Zorro – A Espada e a Rosa, mas por uma série de razões acabei não postando uma resenha sobre o livro. E como ando meio nostálgica nos últimos tempos, relendo vários dos meus livros favoritos por pura diversão (porque, de fato, não há motivo melhor!), decidi que já estava na hora de falar um pouco sobre este romance – já pegando o gancho no tema “Com mais de 300 páginas” do Desafio Literário.




Zorro – O Começo da Lenda
Título Original: El Zorro: Comienza la Leyenda
Autora: Isabel Allende
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 420
Gênero: Romance/ Aventura
Sinopse:
Aventureiro, apaixonado, intrépido e brincalhão. É a lenda do Zorro. E esta é a crônica de uma vida extraordinária em tempos excepcionais: a de Diego de la Vega... despojado de sua máscara. Um relato que começa no ano de 1790, em terras da Alta Califórnia, quando um jovem capitão espanhol se apaixona por uma índia de alma rebelde.
Zorro é o retrato de personagens de carne e osso, com virtudes e fraquezas, sensíveis e impetuosos, que nos arrastam em suas aventuras através de uma época vibrante. Com sua habitual maestria, Isabel Allende nos revela a vida simples das missões espanholas na Califórnia no início do século XIX e a agitação nas ruas de uma Barcelona ocupada pelas tropas napoleônicas em plena Guerra da Independência; os ritos de iniciação das tribos indígenas e os mistérios para ter acesso a uma sociedade secreta europeia; a espiritualidade de um código de honra sem fronteiras e as contradições da alma humana... ‘Zorro - Começa a Lenda’, de Isabel Allende, é uma aventura como as de antigamente.




Escrito por Isabel Allende, Zorro – O Começo da Lenda conta, precisamente, o princípio da história deste que é, possivelmente, o mais romântico e encantador herói das Américas. Claro que todos conhecemos a história dele, de como ele defende os mais fracos, os pobres, os desamparados, liberta prisioneiros inocentes da cadeia, e sempre faz o comandante de palhaço – muitas vezes, com a ajuda de Bernardo, que providencialmente veste a fantasia de Zorro quando o comandante começa a suspeitar que Diego é o mascarado. Também conhecemos bem sua habilidade de arrebatar corações femininos. Por isso, exatamente, o romance de Isabel Allende pouco fala desta parte de sua história, mas foca na fase anterior da vida do herói: sua infância, o início da juventude, e os eventos que o levaram a tornar-se o justiceiro mascarado.

Bastaria dizer, para resumir sua história, que lutar pela justiça estava em seu sangue. Mas essa não é a história toda.

Como não poderia deixar de ser, a história de Diego começou muito antes de seu nascimento, quando a Missão San Gabriel, em Los Angeles, à época administrada pelo Padre Mendoza, fora atacada por índios revoltos, liderados por um guerreiro mítico, que, para felicidade do Capitão Alejándro de la Vega – e, mais tarde, de seu filho –, não era muito fácil de matar. Alejándro acabou se apaixonando pelo chefe índio – que, surpreendentemente, era uma mulher –, e, anos mais tarde, ela deu à luz o herói de nossa história.

Uma série de venturas e desventuras acabaram levando, anos mais tarde, Diego e seu irmão de leite, o índio Bernardo, à Barcelona, onde Diego conseguiu se tornar aluno de Miguel Escalante, o melhor espadachim da Espanha, e talvez, do mundo. E foi através desse mestre que Diego conheceu La Justicia, uma sociedade secreta a qual se integrou, comprometendo-se a defender os mais fracos, e levar os perversos à justiça.

Foi também em Barcelona que Diego conheceu o primeiro grande amor de sua vida, Juliana De Romeu, filha de um grande amigo de seu pai, em cuja casa ele ficou hospedado nos cinco anos em que estudara na Espanha. Tomás De Romeu, pai da moça, era favorável ao governo Bonapartista, que havia tomado a Espanha naquela época, mas quando a coroa foi restituída ao seu legítimo rei, ele acabou acusado de traição. Daí em diante, Diego acabou ficando responsável por levar suas filhas em segurança para a Califórnia.

Para dizer a verdade, nunca consegui torcer pelo romance de Diego com Juliana. Sempre achei essa mocinha fútil, com aquela postura “sou bonita demais para o mero filho de uma índia”. Sua irmã Isabel, por outro lado, apesar de ser descrita como uma menina feia, era nitidamente a companheira perfeita para Diego: forte, valente, destemida, e também com um enorme senso de justiça. Pena que Diego preferia ficar sofrendo pela irmã mais velha.

Além dos estudos no colégio e da esgrima, e de ficar suspirando por Juliana, Diego acabou desenvolvendo outras habilidades, durante sua estadia em Barcelona, principalmente durante sua convivência com um grupo de ciganos, que costumava se apresentar em um circo na cidade, com quem ele acabou aprendendo muitas das estripulias que, mais tarde, seriam muito úteis para tornar o Zorro tão escorregadio.

E para quem gosta de personagens reais interagindo em romances de ficção, a autora faz com que o caminho do Zorro cruze com o de um famoso corsário de sua época, o francês Jean Lafitte, que firmara residência em Nova Orleans na época em que Diego retornava da Espanha.

Porém, de suas aventuras em Los Angeles, já como o herói mascarado, a autora fala pouco. Somente suas primeiras intervenções acabam ganhando espaço: a primeira invasão à prisão, a libertação de alguns prisioneiros, e a luta contra Rafael Moncada, antigo pretendente de Juliana, que chegara antes dele a Los Angeles, para se vingar de Diego e continuar a se humilhar para a moça, e que se aproveitara de sua influência – ou melhor, da influência de sua tia – para assumir o comando da cidade.

Enfim... O livro nos apresenta um capítulo até então pouco explorado da vida deste herói cuja lenda nos encanta, apesar de ele não ter nenhum poder sobrenatural (como os tradicionais super-heróis americanos); e que talvez por isso mesmo seja o mais atraente e o mais envolvente dos heróis que mantinham suas identidades ocultas detrás de uma máscara. Um herói de sangue quente, sotaque espanhol, alma de índio, e coração de raposa. Um herói mítico, sempre disposto a fazer justiça, e a zombar de seus opressores. Um herói que pode ter muitos rostos escondidos debaixo da máscara, mas que atenderá por um único nome: Zorro!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!
E já que chegou até aqui, deixe um comentário ♥
Se tiver um blog, deixe o link para que eu possa retribuir a visita.