Conheçam Meus Livros

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

As Noivas de Robert Griplen Está Maior e de Cara Nova!



Dois anos atrás, quando publiquei o e-book As Noivas de Robert Griplen na Saraiva, algumas pessoas me perguntaram se o livro teria uma continuação, por causa do final ambíguo que o livro possuía. Bem, confesso que, embora a possibilidade passasse pela minha cabeça, eu não tinha intenção de escrever a segunda parte tão cedo. Mas como a vida é engraçada, não é mesmo? De repente toda a continuação dessa história apareceu como por encanto na minha cabeça.
Eu havia cortado um capítulo da primeira parte quando publiquei a versão digital do livro, e foi com base nesse trecho cortado que construí a segunda parte, conectando o episódio do julgamento das Bruxas de Salem, ocorrido em 1692 à lenda de Robert Griplen.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Desafio #25: A História de Um Príncipe Realmente Encantado

A Bela e a Fera sempre foi meu conto de fadas favorito, e a animação da Disney de 1991 – primeiro filme de animação na história a concorrer ao Oscar de melhor filme, diga-se de passagem – é o meu filme favorito da Disney de todos os tempos. A segunda posição possui uma briga ferrenha entre Alice No País das Maravilhas – a animação, não a versão live action de Tim Burton –, Aladdin, 101 Dálmatas e dois longas dos Duck Tales se acotovelando e lutando para conquistarem um pedacinho a mais desse meu coraçãozinho apaixonado por desenhos animados. Eu devia ter uns seis aninhos quando meu pai alugou a fita de A Bela e a Fera pela primeira vez – sim, VHS! Aquele dinossauro que é o antepassado gordo e problemático do Blu-Ray, que já foi tão mencionado aqui no blog. Pessoas com mais de 20 anos de idade podem se gabar de terem vivido nessa época em que era preciso rebobinar a fita antes de assistir ao filme de novo – e torcer para a fita não arrebentar nem mofar antes de a pessoa morrer.


quinta-feira, 20 de julho de 2017

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Desafio #24: Um Duque Para Chamar de Seu...

Não há como resistir ao charme de um bom romance de época... O Duque e Eu, primeiro volume da série Os Bridgertons, de Julia Quinn é um desses livros que, depois de ler a primeira página, torna-se impossível não terminar.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Vingança É Um Prato Que Se Come Com Uma Colher Torta e Depois de Escolher Uma Carta...



“O que é mágica? Mágica é trapaça, é enganação direcionada, feita para entreter”.
É com essa premissa que nos é apresentada a história de quatro mágicos de rua que, depois de serem recrutados por um homem misterioso, tornaram-se astros do showbiss e deram um baile no FBI durante a busca por provas para prendê-los pelo roubo a um banco de Paris, praticado diante de uma enorme plateia num show em Las Vegas!
Chocante, né?


Estou falando de um dos roteiros mais divertidos e criativos que vi nos últimos tempos. Dirigido pelo francês Louis Leterrier em 2013, Truque de Mestre nos traz uma história ágil, cheia de truques de mágica – alguns bem manjados, na verdade –, conduzindo o FBI e o telespectador através de um grande labirinto de enganação, numa brincadeira de esconde-esconde onde agora você vê... E agora não...


segunda-feira, 12 de junho de 2017

ConVersando Sobre Amor

Ah, o amor... Não há nada mais belo no mundo, nenhum sentimento mais nobre. O amor que inspira os poetas, faz suspirar as donzelas, apanha corações desprevenidos, e faz a vida, de repente, mudar de foco.
O amor foi sempre o tema favorito da literatura, desde os tempos mais remotos, mesmo quando este não era o motivo principal dos enlaces. Mas nenhum gênero literário explorou tanto este sentimento tão nobre e tão traiçoeiro quanto a poesia.
E como hoje é dia dos namorados, nada mais apropriado que nos deliciar com cinco belos poemas de amor. Porque, de vez em quando, vale a pena ser piegas.

sábado, 3 de junho de 2017

Porque Também Amamos Livros Independentes

Tempos atrás, eu resenhei aqui um livro que ainda estava em estágio de Fanfiction, o divertidíssimo Aluga-se Um Noivo, da Clara de Assis, inspirado no filme Muito Bem Acompanhada – e que já deve ter sido devidamente publicado a essa altura. Pois bem, hoje venho mais uma vez apresentar a vocês uma obra ainda não publicada, mas que, assim como Aluga-se Um Noivo, merece todo destaque.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

♪ Parabéns Pra Você, Eu Só Vim Pra Te Ler, O Presente Que é Bom Esqueci de Trazer ♪

Parece que foi ontem que escrevi a primeira postagem desse blog, e vejam só: o Admirável Mundo Inventado está completando 5 anos!
Desde que inaugurei esse espaço, nunca fiz uma postagem de comemoração no aniversário do blog, mas cinco anos é uma data que não dá para deixar passar em branco. Afinal, sobrevivemos a meia década na internet! Quantos blogs duram isso hoje em dia? Quer dizer, fora aqueles que ganham dinheiro com isso...
Enfim... Passei a semana toda matutando o que eu poderia postar para comemorar essa data especial. Comecei a revirar as postagens antigas, e percebi quanta coisa boa já passou por esse meu Admirável Mundo Inventado. A princípio, o blog não tinha uma identidade definida – nem mesmo um propósito definido. Eu apenas escrevia resenhas sobre os livros e os filmes que eu gostava, mas depois achei que precisava torná-lo mais divertido.
E foi quando meu blog finalmente saiu da zona de dez acessos mensais – sendo que nove deles provavelmente eram meus –, e finalmente começou a ganhar público.
Então, acho que a melhor maneira de comemorar esses cinco anos, é contando um pouquinho dessa trajetória, relembrando os personagens bacanas que já habitaram esse espaço. Afinal, chama-se Admirável Mundo Inventado por um motivo: este é o lugar onde todas as boas histórias da ficção – sejam filmes, séries de TV, livros ou desenhos animados – se encontram.
O nascimento real do blog só aconteceu em meados de setembro de 2012, quando postei a review do primeiro filme da saga Crepúsculo. Foi a partir daquela postagem que o blog ganhou uma identidade. Portanto, não tenham dúvida sobre o relacionamento profundo que tenho com a saga dos vampiros purpurinados, pois, se eu não morro de amores por aquele elenco e aqueles filmes – minha relação com os livros é infinitamente mais feliz –, também não posso negar que eles tiveram grande relevância na história desse espaço virtual tão amado.
Sim, a história do Admirável Mundo Inventado começou com essa garota atrapalhada, que é chegada numa presa afiada, vampiros cintilantes e lobisomens bombados, que gosta de se colocar na boca dos monstros – literalmente –, e arrumar contusões extremamente difíceis de explicar, e que, por alguma razão, seu pai, o chefe de polícia local, não se preocupa muito em verificar.

domingo, 14 de maio de 2017

Mamãe ♥ Querida


Diz o ditado que mãe é padecer no Paraíso. Talvez porque, em alguns casos, se descer na Consolação tá arriscado se perder, rs. Sobretudo se essa mãe gosta de entornar umas e outras e mais algumas em um estômago completamente despreparado.
Poderia ser o caso dessa mãe em particular. Mas, desconfio que ela prefere colocar os próprios filhos a perder – desde que ela possa lucrar alguma coisa com isso.
Neste dia tão especial, quero falar dessa figura tão importante na vida de todos nós. Afinal de contas, é graças a ela que estamos aqui. Então, mãe, obrigada por ter me tido. (Com o perdão do trocadilho infame, rs).
Brincadeiras a parte, para a review de hoje, escolhi uma das mães mais divertidas da ficção, a mulher que “pariu” duas figuras hilárias, que já nos arrancaram risadas incontáveis em mais de dez temporadas de Two And A Half Men. Com vocês: Evelyn Harper!

Episódio de hoje:
“Saindo Com a Mamãe”

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Das Tirinhas Para o Mundo



Hoje vamos falar sobre um assunto de vital importância para todos que, como eu, tiveram uma boa infância. Vamos falar de Histórias em Quadrinhos. Mas não qualquer HQ. Vamos falar de uma turminha em particular que já nos fez experimentar todos os tipos de sentimentos possíveis – desde pena pelo protagonista constantemente sacaneado por sua vizinha mal-humorada (mas secretamente apaixonada por ele, desconfio), até um tipo interessante de vergonha alheia pelas alucinações de um cachorro chapado de chá de cogumelo ou daquela água que o passarinho não bebe, misturado com o cigarro que o passarinho não fuma.
Sim, meus amigos, estou falando da queridíssima Turma do Charlie Brown.