Conheçam Meus Livros

sábado, 19 de maio de 2018

O Casamento (Sur)Real

Enquanto o Príncipe Harry desposa Meagan Markle, vamos conferir um casamento inédito na televisão brasileira. O casamento mais aguardado – ou não – pelos personagens da Vila do Chaves:
Seu Madruga & A Bruxa do 71... Digo, Dona Clotilde!
O episódio de 1981 – época em que o Chaves voltara a ser esquete do Programa Chespirito – é uma versão de O Terno do Tio Jacinto, de 1976. O episódio é mais curto, os diálogos são bem parecidos com os do episódio original – que, na verdade, era remake de A Louca da Escadaria, de 1973 –, mas nessa versão, Dona Clotilde realiza seu sonho de se casar com Seu Madruga. Quer dizer, quase...


quarta-feira, 16 de maio de 2018

Que Bruxaria é Essa?

Nem sempre o ator que começa interpretando um personagem segue com ele até o final do programa, série ou novela. Esse recast é algo muito frequente em novelas mexicanas, por exemplo, seja por necessidade – quando o ator adoece no meio da produção e precisa ser afastado, ou morre –, seja por picuinhas ou conflitos de agenda. Mas também já tivemos vários casos em séries de TV bem populares, em sagas cinematográficas extensas, e até mesmo na nossa telinha.
Veja alguns rostos que mudaram no decorrer da produção – em alguns casos, o público mal se deu conta da troca.


O Terceiro Pateta (Os Três Patetas)
Um dos exemplos mais antigos talvez seja Os Três Patetas – que, na verdade, era uma série de filmes curtas-metragens para o cinema, que acabou expandindo seu sucesso na televisão. É um caso um pouco diferente do restante da lista – em que atores diferentes deram vida ao mesmo personagem –, mas a verdade é que a ideia aqui era trocar o rosto e o nome, mas sem alterar a função do personagem na comédia, então, dá mais ou menos no mesmo.
Esse caso foi comentado mais detalhadamente aqui no blog no tributo aos mestres da comédia pastelão, mas vamos relembrar. Ao longo dos quase cinquenta anos da parceria, o terceiro pateta foi trocado quatro vezes: antes de assinarem seu primeiro contrato com a Fox, o trio era formado por Moe, Larry e Shemp, mas o terceiro deixou o grupo por não querer carregar Ted Healy, então empregador dos patetas e líder do grupo, como contrapeso na nova empreitada, deixando seu posto para o irmão mais novo, Curly. Mais tarde, quando Curly precisou se afastar dos filmes para cuidar da saúde, Shemp retornou, e ficou até seu falecimento, quando o terceiro pateta passou a ser interpretado por Joe Besser, o Joe; mas o público não foi muito com a cara dele, e sua participação rendeu somente dezesseis curtas, sendo mais uma vez substituído por Joe DeRita, o Curly-Joe, que permaneceu até o final da parceria, encerrada definitivamente por causa do falecimento de Moe.

domingo, 13 de maio de 2018

Essa Mãe é Uma Figura... Digo, Uma Peça

Dia das Mães é um dia de grandes homenagens, e poucas histórias na ficção homenagearam tão bem essa pessoa tão importante em nossas vidas quanto esse que é um dos filmes brasileiros mais engraçados dos últimos tempos. Criada por Paulo Gustavo, que já fazia sucesso no teatro com a personagem inspirada em sua própria mãe, Dona Hermínia migrou para a Sétima Arte, e se tornou um dos filmes de maior sucesso no cinema nacional. Por que será, né, gente? Alguém mais se identifica com essa mãe? Olha, a minha é uma temporada inteira, mas a mãe dele éuma peça.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Vamos Dar Uma Espiadinha No Futuro


Imagine que você tem a possibilidade de ver como será a sua vida daqui a quinze anos. Qual será seu emprego, onde você irá morar, com quem irá se casar, e, principalmente, se está ou não feliz. Sabendo que cada ação no presente tem influência direta sobre esse futuro, você tem a possibilidade de mudar o que não gosta, e corrigir erros que poderão se refletir a longo prazo.
Tentador, não acha?
E como você poderia ter acesso a essas informações sobre o seu futuro? Através do computador conectado a uma rede social que ainda não foi inventada.
Isso é o que acontece aos protagonistas de O Futuro de Nós Dois, de Jay Asher (autor de Os Treze Porquês) e Carolyn Mackler. Aos dezesseis anos de idade, Emma Nelson e Josh Templeton passam a ter contato com seu futuro quando Emma instala um CD-ROM da América Online que Josh lhe deu em seu novo computador. Quando a instalação se completa, eles acabam sendo redirecionados aos seus perfis no Facebook. O caso é que o Facebook ainda não havia sido inventado.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

[As Noivas de Robert Griplen] *BÔNUS* Capítulo 15 - Fogueira


*Capítulo que abre As Noivas de Robert Griplen – Parte 2 – Expiação.*

Salem, Massachusetts, 1692
– Ele vem como um fantasma de noite, vagando pela cidade, em busca de uma mulher para amar – disse Tituba, a escrava, em tom de mistério, a três meninas reunidas em volta da fogueira. – Ninguém o vê; ninguém percebe sua presença, exceto suas escolhidas. E durante um ano ele as seduz, como o noivo perfeito cortejando suas noivas. Até a noite das núpcias. Pois para se tornarem esposas dele, as escolhidas precisam abrir mão de suas vidas, e isso não é uma metáfora. O amor desse homem é mortal. Pois assim como aconteceu com a mulher que ele amou em vida, deve acontecer com todas as mulheres que ele amar depois dela: o casamento com Robert Griplen é oficiado pela morte.
As meninas a encaravam a um só tempo fascinadas e horrorizadas.
– Mas vocês, minhas queridas, não precisam se preocupar com isso – prosseguiu a escrava. – Pois vocês ainda são jovens demais para se tornarem noivas dele.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Quem Não Tem Sanduíche de Presunto, Enche a Pança de Panquecas...


Dos episódios perdidos de Chaves ressuscitados pelo SBT em 2011, nenhum me fez rir tanto quanto Panquecas Pra Dentro, Barriga Pra Fora. O que fiquei me perguntando é por que o deixaram escondido por tanto tempo?

sexta-feira, 27 de abril de 2018

[As Noivas de Robert Griplen] Capítulo 14 - A Última Noite

Susan se apressou para casa, com o coração apertado no peito. Embora não devesse sequer estar pensando nisso, ela se perguntava se a paixão que sentira por Bellingham fora real, ou se era somente o fascínio que Robert Griplen usava para seduzir suas noivas.
Havia uma carruagem parada em frente ao jardim de sua casa quando retornou. A madeira era escura, de um tipo comum, mas Susan reconheceu imediatamente os cavalos do Dr. Prynne.
Apressou-se para dentro. A sala estava deserta, mas da entrada ela conseguiu ouvir os gritos desesperados de Anne no quarto, e correu em seu socorro. O Reverendo Bichop e a Sra. Garber estavam lá em cima, tentando convencê-la de que faziam isso para o seu bem, mas Anne se debatia violentamente, tentando se livrar dos braços de dois enfermeiros. A governanta chorava muito, amparada pelo braço do Reverendo, enquanto o Dr. Prynne preparava o medicamento para sedar a garota.
– Susan... – Bichop começou a dizer, estendendo a mão para impedir que ela protestasse.
– Eu sei... – interrompeu Susan. – Eu confio no senhor.
Ela passou rapidamente por seus tutores, assistida por um olhar espantado da Sra. Garber, e correu até a cama, onde a irmã se debatia e gritava para tentar escapar.
– Por favor, Susan! – implorou Anne, aflita. – Não deixe que eles me levem! Eu não quero acabar como a Sra. Sofer... Eu não estou louca! Por favor, me ajude!...
Mas Susan emoldurou o rosto da irmã entre as mãos, e sussurrou, olhando-a com veemência:
– Você vai ficar bem. Agora, acalme-se!
– Não deixe que eles me levem, Susan... – suplicou Anne.
Mas Susan baixou mais a voz, e abraçou-a para sussurrar em seu ouvido:
– Eu o vi! Ele é um demônio e está completamente louco!
– Por favor, Susan... – insistiu Anne.
– Mas eu não vou permitir que ele leve você!
Então, Susan se afastou do abraço, e tornou a emoldurar o rosto da irmã.
– O Dr. Prynne vai cuidar de você – ela disse, suavemente, olhando-a com a mesma ternura que sua mãe costumava usar quando eram pequenas, para convencê-las a tomar um remédio muito amargo, prometendo que isso as faria melhorar, e que quando melhorassem, ela faria uma gostosa torta de pêssego para compensar o gosto ruim do medicamento.
Mas os olhos de Anne se encheram de pavor, e ela começou a gritar ainda mais alto, e a debater-se com mais força, ao perceber que a única pessoa que ela esperava que argumentasse contra sua internação, estava de acordo com esta medida.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Não Se Pode Apagar o Que Já foi Escrito


O capítulo que encerra uma das minhas sagas favoritas está repleto de aventura, mistério e reviravoltas.
É lamentável que o cinema tenha se limitado a adaptar apenas o primeiro volume da trilogia Mundo de Tinta, de Cornelia Funke, pois suas sequências tinham ainda muita história para contar e nos encantar.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

[As Noivas de Robert Griplen] Capítulo 13 - Uma Alma Atormentada

Susan despertou assustada. A janela do quarto estava aberta, e uma brisa morna soprava em seu rosto, carregada de um agora asqueroso odor de jasmim. Aquilo não fora meramente um sonho, e esta certeza fizera seu coração em cacos.
Bateu o olho no relógio: passava um pouco das sete da noite. Uma incontrolável inquietação fez Susan pedir à Sra. Garber que continuasse vigiando Anne em seu quarto, e correr à casa alfandegária, mas Roger não estava lá.
Um pressentimento fez o olhar de Susan se virar em direção ao penhasco. Havia um vulto parado lá em cima. Era evidente que não se tratava de Anne, mas por alguma razão, Susan sentiu que o vulto a encarava, e se pudesse enxergar tão longe na escuridão, se atreveria a dizer que a pessoa a encarava com cintilantes olhos azuis.
Então, Susan correu até o penhasco. Roger fitava distraidamente o mar, mas sua postura indicava que ele estava esperando alguém.
– É você! – acusou Susan. Sua voz saiu rouca e entrecortada, mas apesar disso, ela conseguiu transmitir todo o ódio que pretendia. – Era você o tempo todo.
Roger se voltou para Susan, mas não tinha intenção de responder.
Você atrai as moças para este penhasco todos os anos... – insistiu Susan, e fez uma careta enojada antes de cuspir as últimas palavras de sua acusação. – Robert Griplen!
– Sim... – admitiu ele, por fim. – Eu sou Robert Griplen!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Desafio #29: A Menina Que Roubava – A Cena Nos – Livros

http://admiravelmundoinventado.blogspot.com/p/desafio-literario.html

É difícil falar em Bonequinha de Luxo sem produzir uma imagem mental de Audrey Hepburn num tubinho preto, cheia de classe, segurando uma cigarreira, encarnada em Holly Golightly, com sua personalidade tagarela e inquieta, sua independência, e seu jeito espirituoso e extrovertido de encarar a vida.