Conheçam Meus Livros

sexta-feira, 4 de maio de 2018

[As Noivas de Robert Griplen] *BÔNUS* Capítulo 15 - Fogueira


*Capítulo que abre As Noivas de Robert Griplen – Parte 2 – Expiação.*

Salem, Massachusetts, 1692
– Ele vem como um fantasma de noite, vagando pela cidade, em busca de uma mulher para amar – disse Tituba, a escrava, em tom de mistério, a três meninas reunidas em volta da fogueira. – Ninguém o vê; ninguém percebe sua presença, exceto suas escolhidas. E durante um ano ele as seduz, como o noivo perfeito cortejando suas noivas. Até a noite das núpcias. Pois para se tornarem esposas dele, as escolhidas precisam abrir mão de suas vidas, e isso não é uma metáfora. O amor desse homem é mortal. Pois assim como aconteceu com a mulher que ele amou em vida, deve acontecer com todas as mulheres que ele amar depois dela: o casamento com Robert Griplen é oficiado pela morte.
As meninas a encaravam a um só tempo fascinadas e horrorizadas.
– Mas vocês, minhas queridas, não precisam se preocupar com isso – prosseguiu a escrava. – Pois vocês ainda são jovens demais para se tornarem noivas dele.

– Por que ele não ficou com a noiva que ele amou? – perguntou uma das meninas, hesitante. – Ela não quis abrir mão da vida dela por ele?
– Ao contrário – disse a escrava. – Ela foi a primeira a abrir mão da própria vida pelo amor de Robert. Ela se lançou do penhasco, de onde depois todas as noivas têm se atirado nesses quase cinquenta anos. Mas, para ela, a morte não foi uma aliança de casamento com ele; foi uma tentativa de findar suas dores. Na noite em que se atirou do penhasco, o coração dela estava partido, porque naquela noite ela havia dado à luz o filho morto de seu amado.
– Que história triste – lamentou a menina.
– Sim, minhas queridas. É muito triste, realmente. E o pior é que nenhuma dessas noivas teve um final feliz. Nem ele, tampouco.
– E não há mais esperança? – perguntou outra das meninas.
– É claro que há esperança! Sempre há! Todas essas noivas e também o próprio Robert Griplen poderão descansar em paz no dia em que a maldição for quebrada.
– E quando será? – perguntou a menina, esperançosa.
– Infelizmente, eu não sei. Foi o amor, e o uso imprudente do poder das trevas que causou essa maldição. Só uma força muito poderosa pode quebrá-la. Mas não dá para prever quando isso vai acontecer.
– Mas que força pode ser maior do que a que causou essa maldição? – indagou uma das meninas, cética.
– Nada é mais poderoso do que o amor, minhas queridas.
– Mas, se foi o amor que provocou tudo isso... – começou a menina, confusa.
– Os feitiços funcionam de uma maneira engraçada: às vezes, pode-se usar a mesma essência que o criou para desfazê-lo.
– Então, o amor pode quebrar a maldição?
– Receio que seja um pouquinho mais complicado que isso. Sabem... O amor de Robert por sua noiva original era algo incomparável. Ele a amou com toda a sua alma, e estava disposto a sacrificar tudo e abrir mão de tudo por ela. Somente um amor tão forte quanto esse poderia vencer a maldição. Mas para quebrá-la, não basta. As trevas selaram seu destino, e ao fazer isso, transformaram todo aquele amor tão lindo numa coisa abominável. Então, para quebrar a maldição, primeiro é preciso vencer as trevas.
– E como se combate as trevas? – perguntou a menina cética.
Antes, porém, que Tituba pudesse responder, os pais das meninas se aproximaram do pequeno círculo que a escutava em volta da fogueira, esbravejando contra a escrava, e acusando-a de estar enchendo a cabeça das garotas com histórias pagãs.
Tituba foi levada de volta à casa de seu dono, Samuel Parris, pai de uma das meninas a quem a escrava contou a história dos Griplen, e severamente castigada.
Algumas noites depois, todas as meninas que a ouviram contar a história em volta da fogueira sofreram casos de sonambulismo e febre, e, pela manhã, alegaram terem sido visitadas pelo espírito de Robert Griplen e possuídas por ele. Embora todos na cidade soubessem que ele somente seduzia mulheres da idade de sua noiva, e entre as meninas não houvesse nenhuma maior de doze anos, acusaram Tituba de ter enfeitiçado as meninas, e invocado o espírito de Robert Griplen para perturbá-las.
A escrava foi enforcada no dia 31 de outubro de 1692.
Em 24 de março do ano seguinte, Agatha Sewall foi levada pelo espírito de Robert Griplen para o fundo da baía de Salem. Ela nunca ouviu palavra alguma dita por Tituba. Coincidência ou não, Agatha era a única filha do juiz que condenou a escrava à morte.



CONTINUA...


Livro completo à venda em e-book na Saraiva, e impresso no Clube dos Autores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!
E já que chegou até aqui, deixe um comentário ♥
Se tiver um blog, deixe o link para que eu possa retribuir a visita.